Classificação morfossintática

Impigens é um Substantivo, feminino plural de impigem;

O termo refere-se a infecções cutâneas.

A médica receitou vários remédios para tratar as impigens.
  


O Que É

As micoses superficiais são doenças que acometem a pele, causadas pela ação dos fungos, que utilizam a camada mais superficial da pele como alimento.
Há diversos tipos de micose causadas por grupos diferentes de fungos.
O problema, que se propaga com rapidez, pode aparecer em locais variados, como braços, virilha, pés e mucosas.
Os tipos mais comuns de fungos causadores de micose estão presentes na própria pele dos seres humanos ou então em animais como gatos e cachorros.
A existência natural dos fungos na pele não significa que todas as pessoas terão micose.
Para que a doença acometa as pessoas, são necessários alguns fatores, como uma queda no sistema de defesa do organismo.
Com isso, o fungo penetra na pele e, encontrando condições ideais, se desenvolve.
A umidade, o calor e lesões na pele são algumas características que agradam esses agentes patogênicos, facilitando sua proliferação.

Nomes Populares

É comum que a micose tenha denominações específicas, conforme a área que atinge.
Entre os dedos do pé, por exemplo, a micose é chamada de "frieira".
Sua ocorrência neste local é freqüente em pessoas que não enxugam os pés adequadamente ou que usam sapatos fechados por longos períodos.
A dificuldade na absorção do suor deixa os pés úmidos.
O calor mantido dentro do sapato associado à umidade favorece a ação dos fungos.
Outro tipo comum de manifestação da micose, cientificamente chamada de tinha, é a que ocorre na pele, em diversas regiões do corpo, sobretudo na virilha, nas mãos e na face.
Nestas áreas, surgem manchas avermelhadas, de tamanhos variados, que têm a borda nítida e parecem descamar.
No couro cabeludo, a micose é conhecida popularmente como "pelada".
Nesta região, a doença aparece em placas, onde há perda de cabelo e descamação.
É freqüente que a "pelada" apareça na infância, depois que a criança tem contato com animais que têm o fungo ou até mesmo com outros colegas que tenham o problema.
Se não for tratada, a "pelada" evolui, causando falhas de cabelo que são permanentes. Nas unhas, a chamada onicomicose provoca espessamento.
As unhas ficam opacas e com tonalidades amareladas, podendo descolar.

A Candidíase
"A candidíase também é um tipo de micose, que afeta a boca e a vagina, podendo atingir, em casos mais raros, os dedos da mão.
Nesses casos menos comuns, a doença aparece entre os dedos, a partir do contato freqüente com água.
Dói e, às vezes, inflama, podendo contribuir para o aparecimento da micose nas unhas", explica a dermatologista Maria Ester Massara Café.
A candidíase também pode aparecer em crianças que usam fraldas, causando desconforto no bebê.
Já a candidíase vulvovaginal provoca corrimento, além de manchas avermelhadas e úmidas.
Neste caso específico de micose, o uso de anticoncepcionais ou outros tipos de medicamentos e a existência de doenças sistêmicas podem contribuir para o aparecimento do problema.
A Dra. Maria Ester lembra que a candidíase, quando acomete crianças, é conhecida popularmente como "sapinho".
No bebê, o "sapinho" não tem gravidade. No entanto, seu aparecimento em adultos pode revelar a existência de uma doença sistêmica, como por exemplo a Aids.
"Se a pessoa percebe que a cândida está aparecendo com freqüência, sem responder adequadamente aos tratamentos, é preciso investigar os fatores que a estão provocando", recomenda a dermatologista.

Adolescência

Os adolescentes também são vítimas dos fungos, principalmente com a ocorrência da pitiríase versicolor, também chamada de "impigem".
Este tipo de micose se caracteriza pelo aparecimento de manchas esbranquiçadas ou rosadas por toda a pele.
O fungo causador da pitiríase precisa de um alimento mais gorduroso, o que encontra com freqüência na pele de um adolescente.
"A pitiríase é comum entre os jovens, mas pode também se repetir ao longo da vida.
Isso ocorre quando a pessoa não tem resistência ao fungo", detalha a dermatologista.

Diagnóstico

Maria Ester explica que o diagnóstico das micoses superficiais não é difícil.
No entanto, o problema pode ser confundido com alergias, outras alterações na pele e psoríase.
Para comprovar a doença, é comum que o dermatologista peça um exame em que as manchas são raspadas e analisadas para verificar a presença do fungo.
"A micose, normalmente, não é um problema grave ou que traz complicações.
Mas é preciso ficar atento, pois seu aparecimento pode revelar a presença de outras doenças mais sérias ou de deficiências imunológicas", afirma.
Como a pele tem um sistema de vigilância natural, o fungo só se desenvolve quando encontra oportunidade: o sistema de defesa cai por fatores internos ou por causas externas, como falta de higiene e cuidados.

Tratamento

A dermatologista explica que o tratamento da micose sempre vai depender do local atingido, da extensão e das características do caso.
A medicação local à base de antifúngicos costuma ser a mais adotada, sobretudo nas manchas menores que aparecem na pele.
Os medicamentos têm apresentações variadas como sprays, pomadas, cremes ou soluções. Entre os dedos, a solução pode ser a medicação mais adotada.
Se o quadro de manchas na pele é extenso, o spray costuma ser o mais recomendado.
Muitas vezes, as lesões na pele só desaparecem algum tempo depois que o tratamento já terminou.

O preço dos medicamentos é variado: há opções mais baratas e com custo mais elevado.
O tempo de tratamento também não é determinado. Muitas vezes, o uso da medicação pode ser mantido por três ou quatro semanas.
A onicomicose pode ser tratada com a aplicação de remédios apresentados sob a forma de esmalte.
"Se mais da metade das unhas já foi atingida, no entanto, recomendamos a medicação oral. O mesmo ocorre nas tinhas do couro cabeludo, nas manchas mais extensas na pele e em algumas formas de candidíase", explica a médica.
A candidíase vulvovaginal também pode ser tratada com cremes vaginais. Já o "sapinho" é tratado com medicação oral e com limpeza da área atingida.

Prevenção

A dermatologista Maria Ester explica que há alguns cuidados que podem ser adotados para prevenir a ocorrência das micoses superficiais.
A higiene é o primeiro passo. Principalmente nas áreas preferidas pelos fungos - como entre os dedos do pé e na virilha - é preciso manter a pele sempre seca, enxugando com cuidado após o banho.
As unhas devem receber um cuidado especial, sendo mantidas sem traumas.
É adequado evitar o uso prolongado de tênis ou de sapatos fechados.
Freqüentadores de clubes e vestiários também devem evitar pisar descalços em locais úmidos, onde outra pessoa com micose pode ter pisado

Entre os dedos do pé, por exemplo, a micose é chamada de "frieira".
Micose, cientificamente chamada de tinha, é a que ocorre na pele, em diversas regiões do corpo, sobretudo na virilha, nas mãos e na face.
No couro cabeludo, a micose é conhecida popularmente como "pelada".
A candidíase vulvovaginal provoca corrimento, além de manchas avermelhadas e úmidas.
Os adolescentes também são vítimas dos fungos, principalmente com a ocorrência da pitiríase versicolor, também chamada de "impigem".
  


O impigem é uma doença contagiosa, na maior parte das vezes. É vulgarmente conhecida por ?frieiras? ou ?tinea corporal? (tinea corporis).

Ele está com uma impigem enorme nas costas.
  

Outras informações sobre Impigens:

Palavras com 8 Letras
A Palavra Impigens possui 8 Letras
A Palavra Impigens possui 3 vogais - i i e
A Palavra Impigens possui 5 consoantes - mp g ns
A Palavra Impigens ao contrário: Snegipmi
Busca reversa Onomasiológica por Impigens

1 página - 3 Definições