Dogma

Por (PR) em

Significado de Dogma:

Dogma é uma definição de fé incontestável e indiscutível colocada por um juízo solene ou pelo legítimo Magistério Ordinário e Universal da Igreja Católica, composto pelo Papa através da Infalibilidade Papal "Ex-Cathedra", pelos cardeais, bispos e teólogos, conforme determinado por Jesus Cristo: Pedro, tu és Pedra e sobre esta Pedra edificarei a Minha Igreja. Tudo o que ligares na Terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na Terra será desligado nos Céus. É um erro afirmar que o dogma deve estar escrito ao pé da letra nas escrituras, e para isso Jesus deixou o Magistério da Igreja, deu-lhe autoridade para isso, para definir o que é verdade de fé. A revelação anunciada por Cristo terminou no dia da morte do último apóstolo, e não pode ser alterada, porém a Igreja Católica tem autoridade para definir uma verdade revelada, sempre iluminada pelo Espírito Santo e totalmente inserida no contexto das Sagradas Escrituras, de forma coerente. Um exemplo disso são os quatro Dogmas Marianos:
1.- Aos 22 de junho de 431, o Concílio de Éfeso definiu explicitamente a maternidade divina de Nossa Senhora: A Virgem Maria é verdadeiramente Mãe de Deus, pois deu à luz segundo a carne aquele que é o Verbo de Deus.
2.- O Concílio de Latrão preconizou como verdade a Virgindade Perpétua de Maria, no ano 649: Nossa Senhora foi sempre Virgem, isto é, antes do parto, no parto e depois do parto.
3.- Em 8 de dezembro de 1854, o Papa Pio IX definiu o terceiro dogma mariano na Bula "Ineffabilis Deus": A Imaculada Conceição de Maria. Nossa Senhora foi concebida imune de toda mancha de pecado original, como jé defendia o Beato João Duns Scoto no ano 1305 em sua tese na Universidade Sorbonne de Paris.
4.- A Assunção de Maria foi o último dogma a ser proclamado, por obra do Papa Pio XII, a 01 de novembro de 1950. Na Constituição Apostólica ?Munificentíssimus Deus? o Pontífice afirmou que, depois de terminar o curso terreno de sua vida, ela foi assunta de corpo e alma à glória celeste.
Mais de 200 teólogos, em todas as partes da Igreja, demonstraram interesse e entusiasmo pela definição dogmática. Há atualmente na Igreja um amplo consenso em definir o quinto Dogma Mariano: Maria, Corredentora, Medianeira de Todas as Graças e Advogada Nossa. No início da década de 1990 o Professor Mark Miravalle da Universidade Franciscana de Steubenville e autor do livro "Maria: Co-Redendota, Medianeira e Advogada" lançou uma petição popular para o Papa João Paulo II para utilizar a infalibilidade papal solicitando declarar Maria
como co-redentora. Mais de seis milhões de assinaturas foram colhidas em 148 países, inclusive de 41 cardeais e 550 bispos. Em 8 de fevereiro de 2008 cinco Cardeais da Igreja Católica emitiram uma petição ao Papa Bento XVI solicitando que declarasse dogmaticamente a Virgem Maria como Co-Redentora, Medianeira e Advogada Nossa. Os cardeais e mais de 500 bispos também incluíram um Votum (petição) ao Vaticano em apoio ao quinto Dogma Mariano.


Exemplo do uso da palavra Dogma:

São quatro os Dogmas Marianos: Mãe de Deus; Virgindade Perpétua de Maria; a Imaculada Conceição; Assunção de Maria aos Céus em corpo e alma.